Inicial / #VereadorArmando / Governo Federal corta recursos da Perimetral Metropolitana de Viamão

Governo Federal corta recursos da Perimetral Metropolitana de Viamão

O vereador Luís Armando Azambuja (PT), da Comissão de Justiça da Câmara de Viamão, denunciou que o Governo Federal, do presidente Michel Temer, cortou, através do Ministério das Cidades, os investimentos da Perimetral Metropolitana, criado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) – Pacto da Mobilidade, da ex-presidente Dilma Rousseff, que inclusive já havia enviado os recursos para realização dos estudos de concepção e impacto ambiental, para beneficiar milhares de viamonenses e a população de municípios vizinhos, e que ligaria os municípios de Viamão, Alvorada, Gravataí e Cachoeirinha, através de um projeto de construção de rodovia com 31 quilômetros,  que contaria com três pistas, sendo duas para veículos e uma para ônibus, calçada e ciclovia em ambos os sentidos.

Há cinco anos, articulando, acompanhando e reivindicando o projeto da Perimetral Metropolitana, o vereador Armando Azambuja, que inclusive esteve reunido com a então presidente Dilma Rousseff, tratando desse tema, aponta que a decisão do Governo Federal, através do Ministério das Cidades, de cortar recursos da Perimetral Metropolitana, acaba com os sonhos de milhares de viamonenses. “A Perimetral que iniciaria na Lomba do Pinheiro, na parada 21 e passaria pela região da São Tomé (Estrada Bérico Bernardes) seguindo pela região da Augustas (Beco dos Soares e ruas adjacentes), passando por Alvorada, Cachoeirinha e Gravataí, pela BR 290 e pela ERS 020, e terminando na RS 118, em Gravataí, representaria uma grande evolução da mobilidade urbana, além de atender grandes sonhos, desejos e reivindicação de milhares de moradores de Viamão e municípios arredores, que teriam o trânsito desafogado, rápido e com transporte coletivo de qualidade”, lamentou o vereador Armando.

No final do ano passado, uma portaria publicada no Diário Oficial do Governo Federal, já havia cortado parte dos recursos. Mas havia esperança de outros recursos, que a então presidente Dilma Rousseff havia garantido a fundo perdido ao Projeto da Perimetral Metropolitana, poderia ser liberado, mas, igualmente foi cortado pelo Governo Temer. 

Segundo o Ministério das Cidades, o cenário econômico e as dificuldades que os governos estaduais e as prefeituras têm enfrentado motivaram uma revisão da carteira de projetos de mobilidade urbana.

Além das obras da Perimetral Metropolitana de Viamão, e da Duplicação do Caminho do Meio de Viamão, com as construções de corredores de ônibus entre a Avenida Protásio Alves e a Estrada Caminho do Meio, entre Porto Alegre e Alvorada; também estão incluídos nos cortes dos recursos que seriam destinados ao RS:  O metrô de Porto Alegre; A construção dos trechos 1 e 2 do corredor de ônibus da Estrada do Conde, entre Guaíba e Eldorado do Sul; Duplicação da Avenida da Legalidade, em Porto Alegre; e, Corredores de ônibus em Santa Maria, entre outros.

A Perimetral Metropolitana

De acordo com o vereador Armando, a Perimetral Metropolitana, deveria iniciar na Lomba do Pinheiro, pela Vila Araçá e na Bérico Bernardes, na região do Bairro São Tomé, em Viamão, e terminaria na RS 118, em Gravataí, e  contaria com infraestrutura composta de três pistas, sendo duas para veículos e uma para ônibus, calçada, acessibilidade e instalação de ciclovias em ambos os sentidos, qualificação das paradas de ônibus, além de um sistema tecnológico para monitoramento e controle do trânsito através de câmeras e semáforos inteligentes.

Com total de 31 quilômetros de extensão, a Perimetral Metropolitana partiria de Porto Alegre, para ligar os municípios de Viamão (com 11,67 Km de extensão de obras e melhorias), Alvorada (com 10,27 Km de extensão de obras e melhorias), Gravataí (com 2,86 Km de extensão de obras e melhorias) e Cachoeirinha (com 6.31 Km de extensão de obras e melhorias).
O custo total da obra, no trecho de Viamão, estava orçado em R$ 7 milhões.

Mesmo já realizado, pela Fundação Estadual de Planejamento Metropolitano e Regional (Metroplan), os estudos ambientais e de viabilidade econômica e a elaboração do traçado básico, com investimento superior a 1 milhão, enviado pelo PAC Mobilidade, no governo da presidente Dilma, as tratativas da obra, que estava prestes a ser realizada entre os municípios cooperados e o Estado, ficou prejudicada todo o processo, pelo pacote do cortes dos recursos que seriam enviados pelo Governo Federal ao RS. “Sem apoio e sem recursos não vai haver as obras”, constatou Armando.

A Duplicação do Caminho do Meio

“Outro grande sonho da comunidade para desafogar a ERS 040, e melhorar a tranqueira dos veículos, e sofrimento da população viamonense de todas as manhãs, foi jogado no ralo”, enfatizou o vereador Armando, se referindo aos cortes de recursos pelo Governo Federal, que também atingiu o projeto de duplicação e implantação de faixa exclusiva, no Caminho do Meio, obra que incluía ainda, as avenidas Protásio Alves, na Capital, e Frederico Dihl, em Alvorada. “Um trabalho de vários anos, com realização de projetos, reuniões, articulações políticas, reserva de recursos e propostas de financiamentos, foram desconsiderados e cortados, em uma decisão do Governo Temer, que reflete em prejuízos dos sonhos, conquistas e direito de nossa população”, desabafou o vereador Armando.

As verbas para esses projetos estavam garantidas no PAC – Pacto da Mobilidade do Governo Dilma, mas também foi atingida pelo pacote de cortes dos recursos que seriam enviados ao RS, do Governo Temer.

Sobre o Vereador Vereador Armando

O vereador Armando, como é popularmente conhecido, tem 45 anos, é jornalista/radialista, técnico em contabilidade, Bacharel em Direito, e, pós- graduado em Gestão Hospitalar. Armando foi eleito para o quinto mandato de vereador. Armando é considerado um dos vereadores mais atuantes e experientes do Legislativo. É o campeão de projetos e de leis aprovadas e sancionadas.

Além disso, verifique

Últimos dias! Anistia de 80% das multas e juros do IPTU e dívidas na Prefeitura de Viamão