Inicial / HISTÓRIA DE VIAMÃO

HISTÓRIA DE VIAMÃO

• A história de Viamão tem início na implantação das primeiras estâncias de criação de gado.

• Os grandes rebanhos de gado e cavalos que existiam na campanha do Rio da Prata transitavam por Viamão para serem comercializados em Laguna (SC).

• À partir de 1732, o Rio Grande de São Pedro – como era conhecido o RS passou a atrair colonizadores que se radicaram na região de Viamão.

 • O município, portanto, foi um dos primeiros núcleos de povoamento do estado (formado por lagunenses, paulistas, escravos e portugueses).

 • Só a partir de 1752 chegaram os primeiros casais de imigrantes açorianos, que desembarcaram na região de Itapuã.

 • Esses açorianos são os mesmos que colonizaram a região do Porto dos Casais, atual capital do estado.

• Além de Porto Alegre, a população de Viamão originou cidades como Santo Amaro, Triunfo, Rio Pardo, Taquari e as cidades do litoral norte.

• Os habitantes primitivos foram os índios mbyá-guaranis e caigangues, que como podemos ver ainda hoje, são de características “nômades”, não se fixando numa região por muito tempo.

• A data de fundação do município é de 14 de setembro de 1741, sendo o ano de início da construção da Capela Nossa Senhora da Conceição – atual Igreja Matriz de Viamão.

• A construção mais antiga da cidade é a Paróquia Nossa Senhora da Conceição. A pedra fundamental foi erguida em 1767, porém a primeira construção data de 1741.

• Em 1763, a cidade recebeu o governo do RS, que tinha sua sede na Vila de Rio Grande e que para cá se transferiu devido à invasão do estado pelos espanhóis.

• Viamão se conservou sede do governo até 1773, nesta época a sede foi transferida para o Porto dos Casais (atual cidade de Porto Alegre).

• Viamão conhecida como Vila Setembrina (Nome dado por Bento Gonçalves), também foi palco de operações militares na época farroupilha.

• Até hoje, na Velha Capital dos Farrapos, é possível encontrar restos de embarcações farrapas que repousam no fundo das águas do Guaíba, em Itapuã, no canal entre a Ilha do Junco e o Morro da Fortaleza.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *