Inicial / #VereadorArmando / Os 276 anos de história de Viamão

Os 276 anos de história de Viamão

PARABÉNS A NOSSA CIDADE,
E
TOD@S VIAMONENSES QUE LUTAM
PRA FAZER DELA MELHOR!

No dia 14 de setembro, Viamão completa 276 anos

 

Viamão possui mais de 252 mil habitantes e cerca de 140 mil eleitores.
Sua extensão territorial é de 1.497 quilômetros quadrados.
A zona rural ocupa cerca de 70 da área, enquanto que 80% da população estão concentrados na zona urbana.

Cidade vizinha à Capital do Estado, Viamão é um grande produtor de arroz, da bacia leiteira, hortigranjeiros e de orgânicos.
Nossa paisagem é repleta de árvores centenárias, belezas naturais e prédios históricos.

As origens de Viamão estão diretamente ligadas à disputa do território existente entre Laguna e a Colônia do Sacramento por portugueses e espanhóis. Esse território, caminho das vacarias e do contrabando de mulas entre Potosi e Sorocaba, era conhecido então como “Campos de Viamão”, futura província de São Pedro do Rio Grande do Sul.

Considera-se como marco do surgimento da cidade a autorização para a construção de uma capela destinada ao culto de Nossa Senhora da Conceição, concedida em 14 de setembro de 1741. Essa capela, porém, não é a atual Igreja Matriz, que foi construída em 1787.

Em 1763, quando os espanhóis invadiram Rio Grande, tomando o forte Jesus-Maria-José, a sede do Governo Geral da Província foi transferida para Viamão, onde permaneceu até 1773. A Vila se transformou no limite extremo do Império Luso-Brasileiro.

A História

No século XVIII o território do atual Rio Grande do Sul já deixara de ser apenas uma zona de passagem entre Laguna e Colônia do Sacramento. A riqueza de seus campos já fizera com que colonizadores aqui se fixassem. E entre esses, inclusive um dos integrantes da frota de João de Magalhães, Cosme da Silveira, que já em 1725 se teria localizado em terras do atual município de Viamão.

Em 1741, Francisco Carvalho da Cunha estabelece-se nos campos de Viamão, no sítio chamado Estância Grande, onde ergueu a capela dedicada à Nossa Senhora da Conceição. Com a vinda de elementos açorianos, a quem foram doadas várias sesmarias, o povoamento recebeu grande impulso. 

Elevada à categoria de freguesia em 1747, por ocasião da invasão castelhana (1766) se instalava nela a sede do governo da capitania. E em 1880 desmembra-se de Porto Alegre para tornar-se vila e sede do município. A importância histórica e social de Viamão iniciou quando foi sede das primeiras estâncias de criação de gado. Os grandes rebanhos de gado e cavalos, que existiam na campanha do Rio do Prata, transitavam por Viamão para serem comercializados em Laguna (SC).                  

 A partir de 1732, O Rio Grande de São Pedro – como era conhecido o Rio Grande do Sul – passou a atrair colonizadores que se radicaram na região de Viamão. O município, portanto, foi um dos primeiros núcleos de povoamento do Estado (formado por lagunenses, paulistas, escravos e portugueses). Só a apartir de 1752 chegaram os primeiros casais de imigrantes açorianos, que desembarcaram na região de Itapuã. Esses açorianos são os mesmos que colonizaram a região dos Porto dos Casais, atual capital do Estado. Além de Porto Alegre, a população de Viamão originou cidades como Santo Amaro, Triunfo, Rio Pardo, Taquari e as cidades do litoral norte. Os habitantes primitivos foram os índios mbyá-guaranis e kaingangs. 

Em 1763, a cidade recebeu o governo do RS, que tinha a sede na Vila do Rio Grande, e que transferiu devido à invasão do estado pelos espanhóis. Viamão se conservou sede do governo até 1773. Nesta época, a sede foi transferida para Porto dos Casais (atual Porto Alegre). Viamão também foi palco de operações militares na época farroupilha. Até hoje, restos de embarcações farrapas repousam no fundo das águas do Guaíba, em Itapuã, no canal a Ilha do Junco e o Morro da Fortaleza.

A origem do nome Viamão é muito controversa. Uma das versões é a de que, a certa altura do Rio Guaíba, pode-se avistar cinco afluentes (rios Jacuí, Caí, Gravataí, Taquari e dos Sinos), que formam uma mão espalmada. Daí a frase: “Vi a mão”. Conforme alguns, seria originário do nome “ibiamon”, que significa “Terras de Ibias” (pássaros). Outros afirmam que seria uma passagem entre montes, o que chamavam de via-monte. E existe ainda o relato de que teria como origem o antigo nome da província de Guimarães, em Portugal: Viamara.

Sobre o Vereador Vereador Armando

O vereador Armando, como é popularmente conhecido, tem 45 anos, é jornalista/radialista, técnico em contabilidade, Bacharel em Direito, e, pós- graduado em Gestão Hospitalar. Armando foi eleito para o quinto mandato de vereador. Armando é considerado um dos vereadores mais atuantes e experientes do Legislativo. É o campeão de projetos e de leis aprovadas e sancionadas.

Além disso, verifique

Dia dos Professores – Parabéns pelo seu dia!

Dia dos Professores, “Ser professor@ é muito mais do que transmitir o conhecimento.” É aquele/a …